O caso de Fallon Fox

por Mazu


Fallon Fox
Esta semana, resolvi fazer entrevistas por esse mundão a fora. Tudo porque resolvi falar de um assunto que anda me fazendo pensar e coçar o cabeção há alguns dias. Fallon Fox!

Fallon Fox é uma lutadora de MMA que passou pela cirurgia de mudança de sexo. Lá por meados de abril, ela recebeu autorização para lutar num campeonato feminino na Flórida. Isso causou altos bafafás e teve até lutador do UFC suspenso por destilar preconceito em vídeo.

Antes e depois de Fallon Fox
O motivo de tanto barulho é o mesmo que me deixou cheia de dúvidas e me dividiu. Mesmo que algumas pessoas tenham a opinião de que a diferença de força física entre homens e mulheres é socialmente construída, ainda tem muita gente que afirma que a parada é biológica mesmo. Eu, com o pouco de experiência que tenho em treino, posso afirmar que nunca fui páreo para homens do meu peso, até alguns menores e mais novos costumavam me derrubar com certa facilidade. Será social, comigo? Logo eu toda feminista e tals? Não sei.

Mas por que estou falando de diferença entre homens e mulheres, se a Fallon não é homem, agora ela é mulher, certo? Legalmente e biologicamente. Então, ela perdeu a chamada "força masculina"? Sua composição física é igual a das outras lutadoras? Seria ela menos ou mais forte que algumas lutadoras que se entopem de hormônio masculino? Aqui, dá para ler a opinião de várias lutadoras diferentes.


Ronda Rousey, a primeira mulher campeã do UFC e atleta de artes marciais desde a infância, acha que Fox teria uma vantagem por ter passado a puberdade como homem, período em que teria adquirido a densidade óssea de um homem.

Como a gente pode ver, é complicado. Agora ela é uma mulher e tem os direitos que todas nós temos. Mas, vamos supor que eu fosse uma lutadora, eu não sei se me sentiria confortável e respeitada em enfrentá-la. Estou sendo super sincera aqui. E por essa divisão, confusão e tals, que fui pedir ajuda aos amigos de várias áreas, falei com militantes, médicos, treinadores e abaixo, trago algumas das respostas que recebi.

Sobre a composição física e densidade óssea:


Na verdade, se a pessoa tem o cromossomo Y e testículos ela tem produção de testosterona e conversão de testosterona em um derivado mais ativo. Isso faz com que tenha mais musculatura, maior estatura, mais densidade óssea do que mulheres. Isso faz com que homens e mulheres tenham constituição diferente, o que fica bem mais nítido depois da puberdade.

De fato, se alguém remove os testículos antes da puberdade terá musculatura e estatura mais próximas do "feminino", porque a maior parte da produção e utilização da testosterona se dá da puberdade em diante. Ou seja, ainda que ela tome hormônios feminizantes hoje, ela ainda tem "vantagens" do homem quando se fala em força física.
- Médica Pediatra

A densidade óssea vem da contração muscular e do balanço positivo de nitrogênio que é muito mais intenso em um sujeito que produz testosterona. O fato de ela ter feito a cirurgia não tira essa densidade óssea já existente.
- Médico Ortopedista

Sobre as diferenças entre uma lutadora que passou pela cirurgia de mudança de sexo e uma lutadora que se droga:


Ela (transexual) seria muito mais fraca que uma lutadora que se droga, pois o uso de anabolizantes faz que sua testosterona e DHT se elevem, no mínimo, 10 vezes mais que o fisiológico de um homem. Conheço fisiculturistas em que esse valor passou das 100 vezes mais. Além da testosterona, o uso de anabolizantes esteroides eleva outros tipos de hormônios. O uso apenas de testo não é o segredo.
- Médico Ortopedista

Sobre a participação de Fallon nos eventos


Difícil dar opinião. Depende de o que pensamos que seja o objetivo do esporte. Se for vencer uma disputa equilibrada, não concordaria com a participação dela em esportes femininos porque ela tem uma vantagem indiscutível. Por outro lado, se o objetivo do esporte for o de promover integração, educação etc etc etc, a discussão muda completamente.
- Médica Pediatra 

Difícil, heim? No entanto, acho que talvez estejamos caminhando rumo à diminuição das diferenças de capacidades físicas de homens e mulheres. Nas olimpíadas de Londres, não teve uma chinesa que nadou tão rápido que empatou ou ficou pouco atrás do Ryan Lochte? E não é necessário que sejamos desafiadas para que possamos 'incrementar' nossa força física? Se uma mulher trans tem reconhecido seu direito de usar seu nome de mulher, se quer reconhecida como mulher, não deveria mesmo lutar com mulheres?
- Blogueira Feminista

Fallon Fox
Chris Cyborg, que foi pega no doping depois de nocautear uma adversária em alguns segundos

Ronda Rousey, atual campeã mundial da categoria peso galo do UFC
 
Do que li e ouvi por aí, tirei que uma lutadora que passou pela cirurgia de mudança de sexo, especialmente as que foram homens na puberdade, teriam alguma vantagem sobre uma mulher cisgênero. Agora, a Fallon já perdeu lutas, logo, essa vantagem não deve ser insuperável. A meu ver, desleal mesmo é a competição com quem se droga, seja a pessoa cisgênero ou transgênero.

Fico triste porque queria vir aqui com uma solução pronta e emblemática, uma bandeira. Mas também não posso ser hipócrita. A gente tem mais é que debater, se informar e ler, a informação costuma ser o caminho mais seguro para o respeito.

De qualquer forma, a Comissão Atlética, na Flórida, parece ter tomado sua decisão, e as meninas da luta têm que se adaptar a ela. E talvez isso seja bom, como disse a nossa amiga blogueira, quando existe desafio, a gente sempre se supera.

8 comentários:

  1. Parabéns pelo ótimo texto.

    É exatamente de posturas como essa, que realmente se esforçam para estudar e compreender a situação, que a sociedade precisa, ao invés de apenas repetir estereótipos ideológicos.

    Só me ficou uma dúvida.

    Que lutas Fallon Fox perdeu após sua mudança de sexo?

    Ao menos em http://en.wikipedia.org/wiki/Fallon_Fox, não conta derrotas.

    Amigavelmente

    Marcus Valerio XR
    xr.pro.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcus, foi mal o tempo que levei para responder. Faz tempo que escrevi, tenho a impressão que a minha fonte (para a informação de derrota) também era a wikipedia, acho que o cartel deve ter sido alterado depois que li. Sabe aquela primeira luta que está em branco, acho quer era derrota antes. Vou dar uma fuçada depois para ver se acho uma fonte menos mutante e altero o texto. Muito obrigada pelo comentário.

      Excluir
  2. Liberem o doping e fica tudo ok.

    ResponderExcluir
  3. Após ver o documentário dela, não acho que ela tenha vantagem, pois já perdeu lutas e no documentário mostra muito bem a luta que ela perdeu e após a vitória a adversária disse que ela tinha vantagem e era injusto(a mesma que foi pega no exame e suspensa)...Fallon tinha vantagem e perdeu? Por acaso em um esporte em que ganhar é o objetivo, alguém que tem vantagem iria perder?! Se fosse um homem trans no UFC masculino e ganhasse, não estariam reclamando pois esse homem trans ''era uma mulher'' antes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe lutas compradas... é só esporte mesmo... e que vença o melhor...etc...

      Excluir
  4. Não Apanham de homem, então irão apanhar de transexual kkkkk. Quanta hipocrisia em... tudo em nome do politicamente correto...

    ResponderExcluir
  5. Vamos lembrar que vantagem não é garantia de vitória. É apenas uma vantagem. Várias artes marciais são construídas inclusive pensando em um oponente cheio de vantagens tais como altura, peso, força, etc. Uma mulher baixa, leve, fraca e sedentária pode vencer um homem alto, forte, pesado e com bom preparo físico? Poder, pode, né. Mas terá de fazer por onde compensar sua desvantagens.

    Mas é justo?

    Veja bem que as mulheres já têm pouco espaço no esporte, pouco financiamento e pouca visibilidade. Uma atleta feminina não recebe o mesmo salário de um cara, nem o mesmo prestígio. Muitas vezes tendo de se submeter a fazer ensaios de fotos sensuais ou usar uniformes mais reveladores para conseguir patrocínio. E ainda vão ter de disputar esse pouco espaço com mulheres trans...?

    O pior que nem se discute o assunto, não com a honestidade que ele merece. Afinal, a conclusão óbvia é de que a disputa é desequilibrada, não é mesmo? Mas não dá para falar isso sem ser taxada de transfóbico.

    Por que não se propõe que se crie uma disputa específica para mulheres trans e homens trans? Seria o mais razoável.

    ResponderExcluir

  6. "Por que não se propõe que se crie uma disputa específica para mulheres trans e homens trans? Seria o mais razoável."
    Melhor resposta

    ResponderExcluir