Quando uma Subvertida ama

por Roberta Gregoli

Encontro das Subvertidas em janeiro de 2013
(Barbara em espírito e Photoshop)
Não sei se é a gripe, se é ter acabado de fazer anos ou se é ter voltado para a Inglaterra, mas o post de hoje é fofo. Tome insulina, minha gente, que o negócio tá água com açúcar.

Algo muito poderoso acontece quando as pessoas se juntam. Pode ser algo poderosamente horrível, como quando um bando de caras se juntam para assediar mulheres na rua, mas pode ser maravilhoso também. Não que o nosso blog seja lá tudo isso (ainda nem temos tantos seguidores quanto outros blogs feministas), mas para mim ele é maravilhoso por vários motivos. Primeiro porque me trouxe mais perto dessas mulheres fantásticas e inteligentes. Cada uma do seu jeito traz um ingrediente especial ao blog: o humor incrivelmente sucinto da Mazu, a prosa extraordinária da Barbara, as reflexões filosóficas e por vezes pertinentemente raivosas da Tággidi.

Em segundo lugar, e isso acontece em qualquer fórum feminista (basta ver os relatos no Cantada de rua - conte o seu caso), o nosso blog é uma pequena ilustração da capacidade de empoderamento na coletividade. Me lembro de uma vez ter visto uma charge que agora não consigo encontrar: uma sala com diversas mulheres, todas pensando "Sou a única feminista aqui". A gente quando se cala - o que é fácil de acontecer numa cultura em que 'feminista' continua a significar mal-amada, amargurada, incendiária de sutiã - inevitavelmente se sente isolada e impotente. Ao colocarmos a boca no trombone arrumamos muita briga, mas também encontramos pessoas que pensam parecido e nos dão força. E isso empodera e incentiva a continuar colocando a boca no trombone, que é o primeiro passo para qualquer mudança.

Agora conte para todo mundo!
Por último, uma coisa fascinante que vejo acontecer com o blog é a mudança de fato. A mudança é proporcional ao nosso tamanho, mas ainda assim é, para mim, recompensadora. Além dxs leitorxs e amigxs que entram em contato com denúncias e reflexões, o que mais me impressiona é ver uma mudança de comportamento das pessoas à minha volta. Isso toma uma série de formas, desde a mais básica, que é um grupo se policiar nos comentários sexistas quando estou por perto, até a 'conversão' de fato. Como os silenciamentos, as inversões perversas e o menosprezo à pauta feminista são o padrão, a discussão de certos temas feministas no senso comum continuam num nível muito básico, e vejo alguns conhecidxs começarem a repensar suas posições, provocadxs pelos nossos textos. E, num mundo cheio de masculinistas e trolls, um a menos é muito.

Por isso tudo, meus agradecimentos. A todxs xs nossxs leitores, em especial xs que comentam e compartilham nossos textos, e, muito especialmente, a Barbara, Mazu e Tággidi, minhas queridas há mais de uma década.

Acabo este post por aqui para não elevar a glicemia de ninguém. E ai de quem disser que feminista não pode ser romântica.


8 comentários:

  1. Sandra Seabra Moreira23/01/2013 18:48

    Te amo, Roberta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra! Um obrigada super especial para você! É muito carinho!

      Excluir
  2. Sou feminista! E sou muuuuuuuiiiiito romântica! Apesar de esses meus dois aspectos estarem bem claros (no discurso e nas ações cotidianas) para meus amigos (alguns, não feministas), sempre que estamos discutindo algo e eu, inevitavelmente, demonstro meu posicionamento político - feminista - recebo um bombardeamento de críticas (de nível muito básico, rsrs) do quanto eu perco não me entregando às paixões, às relações assim-assadas, e aos outros rituais típicos do que é entendido como paixão, amor e romance na nossa sociedade... olha minha cara de pena... não preciso dizer, no momento da discussão, o quanto, muito provavelmente, é a pessoa que me critica que está passando por sérios problemas de falta de amor (próprio, e consequentemente, ao outro também), porque logo em seguida, quando a pauta muda, as contradições se tornam absurdamente evidentes!! Esse é o tamanho da negação necessária que as pessoas tem que manter para encontrar sentido ao romantismo que (pensam que) sentem... Confesso que passei a ser muito mais romântica depois que me descobri feminista!! E, mais uma vez, parabéns ao blog! Já disse, outra vez, que o considero o melhor dentre todos da linha!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, mal-amados são os intolerantes! Obrigada por acompanhar o nosso blog!

      Excluir
  3. Own, eu te amo mais, sua feminista linda!

    ResponderExcluir
  4. Amo muito essas mulheres!!!

    ResponderExcluir