E lá se vai seu nome de donzela

por Roberta Gregoli


O tópico de hoje é delicado e quero já deixar claro que não tenho a intenção de acusar, criticar nem ofender ninguém por suas escolhas. Mas como a nossa proposta é justamente abordar esse tipo de tema que tem pouco espaço na mídia tradicional, aqui me aventuro eu.

Confesso que, quando vi o slogan ao lado pela primeira vez há alguns anos, não o compreendi em sua completude. O feminismo luta por direitos, por igualdade, equidade - ingenuamente, achei que a humanidade das mulheres só (só?!) era questionada na objetificação de seus corpos.

Entretanto, quanto mais reflito, mais me dou conta que, às mulheres, lhes é constantemente negado algo tão básico quanto a própria subjetividade: pense em todos empecilhos que enfrentamos para ter e manter uma carreira; o esforço de peitar, perante a sociedade, a potencial decisão de não ter filhxs; ter o nosso corpo transformado em espetáculo público... Este processo de apagamento do eu é perfeitamente ilustrado, num nível absolutamente primário, numa prática corriqueira: adotar o sobrenome do marido ao se casar. Alteramos o mínimo denominador, o índice mais óbvio de quem somos: nosso nome.

O que me inspirou a escrever sobre este tema esta semana foi a Beyoncé. Sim, a diva do monômio exuberante se casou e, não só adotou o nome do marido, como intitulou sua nova turnê Mrs Carter. Por quê, por quêeee, nos perguntamos. A verdade é que os motivos que levaram Beyoncé a mudar seu nome (estratégia de marketing? comentário irônico sobre a prática, enfatizado pelo figurino à la Louis XIV?) são diferentes dos que levam as mulheres não-estelares a fazerem o mesmo.


Para mim, mudar meu nome sempre esteve fora de cogitação, justamente porque enxergo a questão como identitária e eu não me reconheceria como, sei lá, Roberta Silva. Além disso, alterar o sobrenome tem também um impacto profissional, sobretudo na carreira acadêmica. Qualquer mudança no nome significa, na prática, jogar no lixo seu currículo de publicações. Existem professoras, inclusive, que mantêm o sobrenome do ex-esposo, mesmo depois do divórcio, porque já se consolidaram na área com ele. Imagine que triste, sua identidade intelectual para sempre vinculada a um casamento falido. E, se você virar grande referência na área - se conseguir 'construir um nome', como dizem - o nome construído vai ser o do ex, não o seu.

Esperando por sua nova identidade
com glamour
Na verdade, a prática de alterar o nome, em sua origem, simboliza a inauguração de uma nova fase na vida da mulher, quando ela assume o papel de esposa (dentro dessa concepção tradicional, o único que cabe à mulher). Em inglês, 'nome de solteira' (maiden name) literalmente significa 'nome de donzela', índice da concepção arcaica da prática. Ao se casar e perder sua virgindade - que nesse sistema funcionava como moeda de troca que determinava o 'valor' da mulher (pensando bem, as coisas não mudaram muito...) - a identidade de antes, símbolo de seu estado virginal de solteira, devia ser descartada, porque a identidade de prestígio social para uma mulher era (e ainda é) a de casada.

Isso tudo me soa tão sem sentido que só consigo entender os motivos que levam algumas mulheres de hoje a adotarem o sobrenome do marido a partir de um exercício intelectual de abstração.

Uma das causas mais comuns deve ser a tradição: 'é assim que é feito, nunca parei pra pensar sobre isso, onde eu assino?' Primeiro que não é assim que é feito necessariamente. Desde 2002, acrescentar sobrenomes é opcional e qualquer um dos cônjuges pode fazê-lo

Daí vamos para um outro forte motivo, que é a pressão social. A sociedade policia as mulheres de todas as maneiras possíveis e imagináveis - até aí, não há novidade. Mas, nesta questão específica, a coisa pode ficar muito hostil... E dá-lhe terrorismo emocional: será que já tá pensando no divórcio? não vai demonstrar seu amor por ele? mas e a celebração da sua união? Todas essas jogadas de romantismo que, no final, só servem para reforçar a tradição.

Tem gente que menciona xs filhxs e eu não entendo bem qual é o drama. A mãe chama Fulana A, o pai chama Fulano B, x filhx chama Fulaninhx A B (e nem vamos entrar no mérito do último nome ser o do homem). Tá ali, o nome dos dois, não há ambiguidade quanto à origem da criança. Agora, se a mãe não tiver o nome do pai vão achar que a criança é bastarda, é isso? É essa a preocupação, que, ai e se ela for mãe solteira? Ou divorciada? Em que século estamos mesmo?

Outro dia me apareceu uma nova. Alguém me contou que a noiva não queria adotar o nome do noivo e era um absurdo porque ele estava disposto a adotar o nome dela. Se é para ter igualdade, por que ela não aceita, já que ele ia fazer o mesmo? A resposta é simples: porque ela não quer. Se ele quer adotar o nome dela, ótimo, vá em frente. Agora, dureza ela ter que ficar dando satisfação para todo mundo de uma escolha que deveria ser só dela: o nome é dela, a identidade é dela.

Pronta para fazer - e com sorte
não ter que REfazer - toda a papelada
Além de tudo, por mais que ninguém goste de pensar nisso na hora do casamento, o divórcio é uma possibilidade real: 56% dos casamentos terminam em divórcio no Brasil. Então, manter seu próprio nome, além de uma questão ideológica, seria também pragmática: é como fazer uni-duni-tê para ver se vai mudar todos os registros de sua existência civil duas vezes. Só a primeira vez já me desanimaria.

O feminismo luta para que as mulheres sejam livres (ironicamente, até isso pode ser usado contra as mulheres, como quando dizem que faz sentido ganharmos menos porque colocar a carreira em segundo plano é uma decisão pessoal). O tema da mudança do nome é complicado justamente porque aborda decisões pessoais. Afinal, muitas mulheres dizem mudar o nome por escolha própria, da mesma forma como muitas dizem que são donas de casa porque querem.

Eu volto a enfatizar que não desmereço nem critico nenhuma mulher por ter adotado o nome do esposo, ou por ser dona de casa, mas questiono, sim, se essas são escolhas reais

Afinal, como falar em liberdade de escolha quando não existe igualdade? Se os homens adotassem o nome das mulheres em igual proporção que as mulheres adotam o nome dos homens, aí, sim, ok, temos escolha. Você está mentindo se disser para umx estudante do ensino público da periferia que elx pode ser o que quiser quando crescer. É possível dizer que elx escolheu não ser médicx (ou qualquer outra profissão de status que requeira estudo de qualidade e investimento financeiro)? Só há liberdade de fato quando existem oportunidades iguais.

Minha intenção com este texto não foi convencer ninguém a fazer nada. Só fomentar a discussão para levar a uma escolha esclarecida, expondo um lado do debate que muitas vezes fica obscurecido. Com todas as informações postas e pesadas, sem levar em conta qualquer pressão familiar ou social, aí, sim, podemos falar em escolha real. 


11 comentários:

  1. Muito bom, Rô. Um reflexão muito válida e que passa batida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Má, obrigada!

      Excluir
  2. O interessante é que mudar o nome é opcional já há bastante tempo mas para as famílias é uma espécie de "desonra" quando você não quer fazê-lo.
    Comprei a maior briga 22 atrás quando disse que não ia mudar... e não mudei.
    Meu nome é minha "identidade",sou minha propriedade.
    Muito bom seu artigo!!

    ResponderExcluir
  3. Adorei! Que bom que alguém resolveu falar deste assunto!
    Me incomoda muito essa coisa de adotar o nome do marido.
    Nunca farei isso. Em parte porque sou muito pragmática. Não quero refazer toda minha documentação.
    Mas principalmente porque a adoção do nome do marido pela mulher me parece uma marca de propriedade.
    Mais uma forma de objetificar a mulher.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Mônica, concordo inteiramente!

      Excluir
  4. Pois é.

    Na minha família, as minhas tias (isto é, que se casaram com meus tios) adotaram o sobrenome completo do marido: quer dizer, não só o sobrenome do sogro como também o da sogra, minha avó. Um mal por um bem, acabou sendo uma bonita homenagem à minha avó quando ela faleceu.

    Também fico pensando em como é sempre o sobrenome do homem que é transmitido às gerações futuras, né? Para mim, por exemplo, seria talvez mais significativo, no que diz respeito à minha identidade, ter os sobrenomes das minhas avós. O sobrenome com o qual eu assino, sobrenome paterno, vem de um avô que eu não conheci...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Bá, a questão do sobrenome do homem ser transmitido é ainda mais complicada. Além da questão da identidade e herança do passado, tem o futuro também. Pensar que famílias como a minha, que em determinado momento teve uma geração só de mulheres, o sobrenome simplesmente desaparece. Da maneira convencional, a nova geração terá Gregoli como primeiro sobrenome e, na próxima, já desaparece completamente. Por isso eu preciso escrever um livro um dia rsrsrs

      Excluir
  5. Este post lembrou a história de minha mãe, que se casou no início da década de 80. Já havia decidido não trocar seu nome por questões pragmáticas - isso já era possível desde 77. No entanto, o juíz não permitiu. Argumentou que isso seria uma demonstração de desafeto e de pouco compromisso com sua situação de esposa. Enfim, as coisas não mudaram tanto assim em 30 anos.

    Larissa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela informação, Lá! Acho que o que mudou em 2002 então foi que o esposo pode também acrescentar o nome da esposa. Dona Izildinha sempre firme e forte, pena que a sociedade não acompanha!

      Excluir
  6. Há uns anos atrás, quando ainda era tontinha ou num momento de falta de juízo pleno, rs, decidi me casar no cartório. Sempre achei um absurdo a mulher mudar seu nome, mas ainda quis ir além, queria que meu futuro marido mudasse o sobrenome e usasse o meu. Qual foi minha surpresa e indignação ao saber que ele só poderia adotar o meu sobrenome se eu também adotasse o dele! Essa lei de 2002 é fajuta, de qualquer forma perpetua a submissão da mulher ao homem!

    Estou adorando o blog de vocês, o conheci só hoje. Parabéns!

    ResponderExcluir